domingo, 21 de maio de 2017

Respeito, Uma via de mão dupla

Se você NÃO respeita a mulher, da vida dos outros, como quer COBRAR respeito às mulheres da sua vida?

Resultado de imagem para Respeito as mulheres  


Entro no ônibus com um velho amigo; me sento no  local  atras do motorista e meu amigo se sentou de frente para mim e para os demais passageiros. Em poucos minutos, vejo-o perpassar os olhos pela sua 'plateia', dá um sorriso e  atira, como se  fosse para mim, mas num volume perfeitamente audível  por cada passageiro:
''... Duas loiras conversando...''
E eu: Epa! Pare já!
Ele insiste:  ''...Duas negras...'
E eu;  Ou você muda isso, ou então fique calado!

De costa,eu sentia na nunca os olhares dos passageiros; a maldita piada ficaria presa no ar e na imaginação dos presentes, e eu furiosa com meu amigo, que não perde a mania de  'platéia'!

Descemos do ônibus, daí a uns poucos minutos e, ao atravessarmos uma rua adjacente a uma rotatória, tivemos que enfrentar uma motorista que não sinalizou sua intenção de virar a esquerda, e com as mãos, sinalizei para ela a confusão que me provocara;
Ao passar por nós, ela atirou um 'Me desculpe'' pela janela e acenei aceitando. enquanto meu amigo que acabara de lascar  um "Tinha que ser uma vaca...!''
Percebendo imediatamente ter acionado novamente minha reação , engasgava , tentando dar validade a sua fala, só se calando quando lhe disse:
_"Você é capaz de matar com as próprias mãos alguém que desrespeite uma de suas filhas, mas não pensa um segundo pra chamar as filhas dos outros de adjetivos pejorativos e ofensivos;
Ou você respeita todas as mulheres da sua vida nas outras, ou é um grandessíssimo  falso e cretino!
Ou você respeita a todos os seres humanos, ou na verdade não respeitas nem mesmo a você!

sábado, 20 de maio de 2017

Gratidão, a mais bela das Virtudes!

Gratidão Á PresindentA Dilma!

                                                      Resultado de imagem para presidenta dilma

''por.:  Márcia Brandão.
4 h
Quero muito agradecer à Presidenta Dilma Rousseff por tudo que realizou em seus governos (confiram no link um pouco do que Dilma fez)! Aproveito para esclarecer que o Programa Ciências sem Fronteiras é do Governo Dilma! Mais Médicos também!
MAS quero agradecer mais ainda a PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF por não ter aceitado toda a corrupção que se instala na política por séculos! (E hoje estamos vendo que a corrupção também está no judiciário. Há a ala podre também na justiça!)
Dilma não compactuou com a escória. Dilma não se omitiu. Dilma não se conformou.
Dilma ENFRENTOU o crime organizado. Avisou: NÃO FICARÁ PEDRA SOBRE PEDRA!
Pagou o preço de SER GOLPEADA, mas possibilitou que toda a podridão viesse à tona.
TEMOS MUITO QUE AGRADECER À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF! Pois se o Brasil for passado a limpo, devemos isto à grandeza, coragem, honestidade, indignação, força e à nobreza da PRESIDENTA DILMA VANA ROUSSEFF.
MUITO OBRIGADA, QUERIDA!''
<3 span="">

domingo, 14 de maio de 2017

Virgem Maria, Mãe de Jesus Cristo nosso Deus e Senhor

Origem deste artigo



quarta-feira, 16 de setembro de 2015


O ROSTO MATERNO DE MARIA NOS PRIMEIROS SÉCULOS DA IGREJA



Das catequeses de São João Paulo II
Na constituição Lumen gentium, o Concilio Vaticano II afirma que “os fiéis unidos a Cristo, sua Cabeça, em comunhão com todos os santos, convém também que venerem a memória antes de tudo da gloriosa sempre Virgem Maria, Mãe de Jesus Cristo nosso Deus e Senhor” (LG 52). A constituição conciliar utiliza os termos do cânon romano da missa, destacando assim o fato de que a fé na maternidade divina de Maria está presente no pensamento cristão já desde os primeiros séculos.

Na Igreja nascente, a Maria se a recorda com o título de Mãe de Jesus. É o mesmo Lucas quem, nos Atos dos Apóstolos, lhe atribui este título, que, além disso, corresponde a quanto se disse nos evangelhos: “Não é este (...) o filho de Maria?”, se perguntam os habitantes de Nazaré, segundo o relato do evangelista São Marcos (6,3). “Não se chama Maria a sua mãe?”, é a pergunta que refere São Mateus (13,55).
Aos olhos dos discípulos, congregados depois da Ascensão, o título de Mãe de Jesus adquire todo seu significado. Maria é para eles uma pessoa única em seu gênero: recebeu a graça singular de gerar o Salvador da humanidade, viveu muito tempo junto a ele, e no Calvário o Crucificado lhe pediu que exercesse uma nova maternidade com respeito a seu discípulo predileto e, por meio dele, com relação a toda a Igreja.
Para quem crêem em Jesus e o seguem, Mãe de Jesus é um título de honra e veneração, e o seguirá sendo sempre na vida e na fé da Igreja. De modo particular, com este título os cristãos querem afirmar que ninguém pode referir-se a origem de Jesus, sem reconhecer o papel da mulher que o gerou no Espírito segundo a natureza humana. Sua função materna afeta também ao nascimento e ao desenvolvimento da Igreja. Os fiéis, recordando o lugar que ocupa Maria na vida de Jesus, descobrem todos os dias sua presença eficaz também no seu próprio itinerário espiritual. 
Já desde o começo, a Igreja reconheceu a maternidade virginal de Maria. Como permitem intuir os evangelhos da infância, já as primeiras comunidades cristãs recolheram as lembranças de Maria sobre as circunstâncias misteriosas da concepção e do nascimento do Salvador. Em particular, o relato da Anunciação responde ao desejo dos discípulos de conhecer de modo mais profundo os acontecimentos relacionados com os começos da vida terrena de Cristo ressuscitado. Em última instância, Maria está na origem da revelação sobre o mistério da concepção virginal por obra do Espírito Santo.
Os primeiros cristãos captaram imediatamente a importância significativa desta verdade, que mostra a origem divina de Jesus, e a incluíram entre as afirmações básicas de sua fé. Na realidade, Jesus, filho de José segundo a lei, por uma intervenção extraordinária do Espírito Santo, em sua humanidade é filho unicamente de Maria, tendo nascido sem intervenção de homem algum. 
Assim, a virgindade de Maria adquire um valor singular, pois coloca nova luz sobre o nascimento e o mistério da filiação de Jesus, já que a geração virginal é o sinal de que Jesus tem como pai a Deus mesmo. 
A maternidade virginal, reconhecida e proclamada pela fé dos Pais, jamais poderá separar-se da identidade de Jesus, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, dado que nasceu de Maria, a Virgem, como professamos no símbolo niceno-constantinopolitano. Maria é a única virgem que é também mãe. A extraordinária presença simultânea destes dois dons na pessoa da jovem de Nazaré impulsionou aos cristãos a chamar a Maria simplesmente “a Virgem”, inclusive quando celebram sua maternidade.


Padre Antônio Piber
Eremitério Franciscano

domingo, 7 de maio de 2017

ROMPENDO A INDIFERENÇA



ROMPENDO A INDIFERENÇA
Padre Antonio Piber

October 4, 2013
Padre Antonio PiberDiocese de ItumbiaraSeminário São Carlos do BrasilIgreja Católica Apostólica Brasileira

Rompendo a indiferença
(Lucas 16,19-31)

      Segundo São Lucas, quando Jesus afirmou “não podeis servir a Deus e ao dinheiro”, alguns fariseus que estavam ouvindo-o e eram amigos do dinheiro “riram dele”. Jesus não se abalou. Logo depois, narra uma parábola desafiadora para que os que vivem escravos da riqueza abram os olhos.


      Jesus descreve em poucas palavras uma situação avassaladora: Um homem rico e um homem mendigo vivem próximos um do outro, estão separados pelo abismo que há entre a vida de opulência insultante do rico e a miséria extrema do pobre.


      O relato descreve aos dois personagens destacando fortemente o contraste entre ambos. O rico anda vestido de púrpura e de linho finíssimo, o corpo do pobre está coberto de chagas. O rico banqueteia-se esplendidamente não só nos dias de festa, mas diariamente, o pobre está atirado em sua porta, sem poder comer o que cai da mesa do rico. Só os cães que vêm buscar alguma coisa no lixo se aproximam para lamber suas chagas.


      Não se fala em nenhum momento de que o rico explorou ao pobre ou que o maltratou, ou desprezou. Dir-se-ia que não fez nada mal. No entanto, sua vida inteira é desumana, pois apenas vive para seu próprio bem estar. Seu coração é de pedra. Ignora totalmente o pobre. O tem diante dos olhos mas não o vê. Ele está aí mesmo, enfermo, faminto e abandonado, mas não é capaz de cruzar a porta para tomar conta dele.


      Não nos enganemos. Jesus não está denunciando apenas a situação da Galilea dos anos trinta. Está tentando sacudir a consciência de quem de nós que temos nos acostumados a viver na abundancia tendo junto à nossa porta, ou à uma hora de vôo, pessoas e povos inteiros vivendo e morrendo na miséria mais absoluta.


      É desumano encerrar-nos em nossa “sociedade do bem estar” ignorando totalmente essa outra “sociedade do mal estar”. É cruel seguir alimentando esta “secreta ilusão de inocência” que nos permite viver com a consciência tranquila pensando que a culpa é de todos por isso não é de ninguém e menos ainda que seja nossa, que seja minha, que seja tua.


      Nossa primeira tarefa é romper a indiferença. Resistir-nos a seguir desfrutando de um bem estar vazio de compaixão. Não continuar isolando-nos mentalmente para deslocar a miséria e a fome que há no mundo para um longínquo e abstrato lugar, para poder assim viver sem ouvir nenhum clamor, gemido ou pranto.



      O Evangelho pode ajudar-nos a viver vigilantes, sem tornar-nos cada vez mais insensível aos sofrimentos dos abandonados, sem perder o sentido da responsabilidade fraterna e sem permanecer passivos quando podemos agir